14 de dez de 2011

Yes! Nós temos picanha!!!


É incrível como um específico corte de carne bovina faça tanta diferença entre os apreciadores de carne.

A Picanha Brasileira, corte vindo originalmente da Argentina - daí, também seu nome que é o local onde o carreteiro “pica a aña “, ou seja, onde bate seu chicote na parte traseira do animal – é conhecida mundialmente como um dos pratos típicos do Brasil e Argentina.

Hoje em dia, entretanto, a fama desse corte é brasileira, já os argentinos ficaram com a fama do entrecote e do rosbife (o contra filé para brasileiros).

Como todo ingrediente típico, encontrar picanha fora do país é quase uma proeza.

Na Alemanha esse corte também é muito apreciado, porém em outro tipo de preparação que não na grelha ou na brasa do churrasco. Apesar de se assemelhar muito ao corte sul-americano a gordura mais firme e a carne mais fibrosa torna o Tafelspitz (nome da picanha em alemão) um corte similar porém com sabor e consistência diferentes da original.

Como já dizia a música - “... mas na hora do aperto, é dos carecas que elas gostam mais...” - na Alemanha, por exemplo, o Tafelspitz faz sucesso quando preparado no estilo brasileiro.

Dessa vez, passeando pelo supermercado, eis que me deparei com o modelo brasileiro de origem americana. E, claro, completamente sem preconceito de origem foi preparada no melhor estilo brasileiro mas com acompanhamento italiano.

De verdade, um prato multiculti!!

28 de nov de 2011

Viva a Bahia!


Perto ou longe, para quem gosta de frutos do mar, a culinária baiana é literalmente um prato cheio..
Com muitas influências da cultura culinária africana a Bahia apresenta hoje pratos que são resultados de misturas - um tanto exóticas para a época da sua criação - de receitas portuguesas, africanas e indígenas.
As negras vendidas onde hoje é o Mercado Modelo de Salvador serviam aos seus patrões como cozinheiras. E tinham uma tarefa nada fácil de adaptar o que conheciam e agregar naquilo os ingredientes e temperos novos que já existiam no Brasil, a fim de agradar os patrões e suas Sinhás.
Assim também aconteceu com o famoso Bobó de Camarão...
A brilhante mistura do aipim/mandioca (de uso indígena) com os camarões (de uso português) e o azeite de dendê (africano) formam um dos pratos típicos mais conhecidos da cozinha baiana.
Originalmente feito em homenagem à Oxum, o Bobó de Camarão caiu no gosto das Sinhás que por sua vez o transformaram em um prato nobre.
Hoje, só para diferenciar um pouquinho, temos Bobó de Camarão e Mini Vieiras!